Machu Picchu

Um local cheio de mistérios e histórias. Descubra o que as ruínas de Machu Picchu têm a contar

Artigo publicado por Rodrigo Junior nas categorias: América do Sul

Em meio a tantos mistérios, a terra sagrada dos Incas atrai turistas do mundo todo e é um dos destinos mais procurados na América do Sul. Machu Picchu, no Peru, reúne uma incrível beleza natural, a deliciosa cultura peruana e toda a misteriosa história por traz da sua arquitetura.

O que fazer em Machu Picchu

Não há como falar da cidade peruana de Machu Picchu sem citar seu Santuário Histórico, uma das atrações turísticas mais famosas da região. É lá que estão as incríveis arquiteturas da civilização inca, construídas no século XV, de forma que muitos estudiosos tentam explicar. O passeio é ainda melhor feito se acompanhado por um guia turístico, que explicará todas as regiões do sitio arqueológico, dividido entre zona sagrada, residencial e agrícola.

O Templo do Sol, no meio dessas ruínas, é um dos pontos turísticos de Machu Picchu mais procurados. Trata-se de uma construção circular com janelas alinhadas ao oriente. Além dele, visite também o Templo das Três Janelas e o Palácio do Inca, outras construções feitas de blocos de pedras que deixam qualquer um pensativo sobre como a civilização ergueu tudo aquilo há tanto tempo.

VIsta das Ruínas de Machu Picchu

VIsta das Ruínas de Machu Picchu

A Rocha Sagrada, outro ponto turístico que merece estar em seu roteiro, é um dos pontos preferidos para aqueles que chegam até o local e querem aproveitar a atmosfera para meditar e sentir suas energias positivas.

Para visitar o Santuário Histórico é preciso comprar sua entrada no Instituto Nacional de Cultura, que tem filiais em Cuzco ou em Águas Calientes. Para chegar até o local há diversas opções. As caminhadas e trilhas são as mais procuradas pelos turistas, mas também são recomendadas que sejam feitas com guias turísticos e em grupos.

A montanha de Machu Picchu é um desses caminhos. Depois de três horas de trilha, a visão lá de cima do Santuário é privilegiada e costuma render as mais belas fotos de toda a viagem. Huayna Picchu é mais uma trilha, essa bem íngreme e considerada avançada pelo nível de dificuldade, que no final, vale a pena pela incrível paisagem. Nesse mesmo percurso, não deixe de fazer um pequeno desvio e dar uma passadinha no Templo da Lua.

Inti Punku é mais uma opção de caminhada, dessa vez um pouco mais leve, porém ainda com ótimas vistas para fotografia. Por fim, Putucusi, percurso de aproximadamente duas horas e meia, também tem belas paisagens e exige um melhor preparo físico do turista.

Além de todos esses passeios, os turistas ainda podem optar passar alguns dias nos “Caminhos do Inca”, nome dado à imensa rede de caminhos e rotas que ligam Cuzco, Machu Picchu e Tahuantinsuyo e passam por locais como os Andes e a Amazônia. Porém, para poder dedicar alguns dias nessas rotas é preciso programar sua viagem com antecedência para garantir, junto de sua agência de viagem, essa programação. O país controla o número de turistas nesse passeio para poder manter a preservação natural local.

São vários tipos de rotas, de dois ou quatro dias, todas com acompanhamento de guias, alimentação e equipamentos para acampar e muita informação histórica, geográfica e cultural. É possível descobrir outros sítios arqueológicos além de Machu Picchu e fazer passeios a pé e de trem com belas vistas.

Para quem prefere viajar sem muito esforço físico, os trajetos feitos de trens também proporcionam ótimos passeios. A viagem de Cuzco até Águas Calientes, ao pé do Santuário Histórico, dura cerca de quatro horas e pode ser feito em vagões dos mais aventureiros até os mais luxuosos.

Viagem de Cuzco até Águas Calientes por Trem

Viagem de Cuzco até Águas Calientes por Trem

Quando chega a hora de parar as caminhadas e se alimentar e divertir-se, Águas Calientes tem boas opções. São vários os restaurantes com comidas típicas locais, porém, por se tratar de um local afastado do centro comercial e cheio de estrangeiros, os preços costumam ser caros. O mesmo vale para as compras. Não saia de lá sem uma lembrancinha dos artesanatos locais, ainda que custe um pouco mais.

Dicas de Turismo em Machu Picchu

Para que você possa organizar seu guia de viagem, confira mais algumas dicas. Em Machu Picchu, assim como em todo o Peru, o espanhol é a língua oficial. Porém, você irá se deparar também com o dialeto quéchua, uma língua indígena muito utilizada na região.

A moeda utilizada é o Sol, no entanto, muitos lugares aceitam o dólar como moeda para compras. Para entrar no país não é necessário visto, porém é exigida a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação, que prova sua vacinação contra a febre amarela. Procure vacinar-se com 15 dias de antecedência da viagem.

Por conta dos vários problemas de devastação e, dessa forma, até mesmo deslizamentos, o governo vem controlando a entrada de turistas em algumas trilhas e pontos. Programe-se com antecedência e caso viaje sem uma agência de turismo, procure fechar pacotes com guias autorizados para esses locais.

A melhor época para viajar até Machu Picchu é entre abril e outubro, período mais seco na cidade. As chuvas costumam atrapalhar a visão das belas paisagens ou até mesmo interditar certas áreas que correm riscos de deslizamento com a chuva.

Não estranhe ao sentir o famoso “soroche”, mal estar causado pela altitude do lugar. Para se acostumar com isso, procure andar sem pressa, beber muita água e abusar dos recursos dos moradores da região, como o chá de coca ou mastigar as folhas dessa planta. Fique tranquilo, não há nada de proibido ou maléfico nessa prática.

Com tudo isso em mãos, prepare o corpo e a mente para descobrir esse misterioso lugar. Boa viagem!



Comente!




*Campos obrigatórios